sexta-feira, maio 04, 2012

O Sr. Robério é um personagem de Dickens


O Sr. Robério é o leitor do Fratres que prometeu postar o comentário que ele fizera lá, neste modesto blog, mas não o fez. Mesmo assim, eu o respondi daqui. Ele, agora, responde à minha resposta, por meio de outro longo texto, como comentário ao post acima referido.

Este senhor vive no mundo do Concílio Vaticano II. É daqueles que comemorarão com muita alegria tudo que o Concílio trouxe para a Igreja, nestes 50 anos de tragédia. Toda a modernização, todo o diálogo com o mundo, todas as mudanças litúrgicas, toda a relativização religiosa, todas as cantorias, etc. Ele está satisfeito com tudo. Ele lembra um personagem de Charles Dickens, o Sr. Podsnap. Dickens usa o personagem para uma ácida crítica à classe média inglesa da era vitoriana. Dele o autor diz: “O Sr. Podsnap era um sujeito que ia muito bem, e era tido em alta estima, na opinião do Sr. Podsnap./ Estava muito satisfeito consigo mesmo e não entendia porque as outras pessoas não sentiam o mesmo./ Considerava-se um brilhante exemplo social por se sentir tão satisfeito com a maioria das coisas e consigo mesmo./ O Sr. Podsnap estabeleceu que qualquer coisa que esquecesse, passaria a não mais existir.”

O Sr. Robério voluntariamente esquece que os bispos de hoje defendem heresias aos magotes, e então sai alegremente afirmando que os bispos devem ser obedecidos porque são sucessores dos apóstolos, etc., etc.

O bispo de Sidney está agora mesmo a defender muitas, mas muitas heresias. Um catecismo da Igreja, recentemente publicado, o YOUCAT, com prefácio do Papa Bento XVI, contém afirmações contrárias à Tradição da Igreja, contrárias ao Depósito da Fé, contrárias ao Catecismo Romano, mandado publicar pelo Concílio de Trento. Há hoje na Igreja, a Igreja do Concílio Vaticano II, padres que defendem o aborto em suas homilias, apenas para citar o mais recente exemplo publicado aqui no blog. Mas, esqueçamos isso, pois o mundo e a Igreja vão muito bem.

O Sr. Robério reclama também que eu usei um termo tendencioso para me referir a ele: modernista. O Sr. Robério, vocês sabem, é um homem moderno, da Igreja de hoje, e assim ele mal sabe que o modernismo é um termo definido muito precisamente, de forma magistral, com fundamentos teológicos, filosóficos e doutrinais pelo Papa São Pio X, numa encíclica inteiramente de acordo com toda a Tradição da Igreja, portanto, ensinamento infalível: Pascendi Dominici Gregis. Há nesta encíclica a descrição de todos os erros, hoje alegremente cometidos em quase todas as paróquias de quase todas as dioceses de quase todo o mundo. Mas ela é algo do passado, algo ultrapassado. Não é algo para homens como o Sr. Robério, um homem do seu tempo. Ele conhece apenas os documentos do CVII, desconhecendo o quanto eles estão em desacordo com o ensinamento da Igreja de sempre e do Concílio de Trento e de muitos outros. Ele desconhece, suponho, que o CVII não é concílio infalível, mas pastoral, seja isso o que for.

Ele também decididamente não quer aprender que quando um bispo defende ideias heréticas, não o devemos seguir. Ele não compreende que a desobediência é, as vezes, um dever. Ele finge ter muito interesse por documentos da Igreja, mas é muito seletivo em sua leitura ou conhecimento. Cita coisas em latim, cita o CDC, cita alguns santos, mas não outros. Ele pratica o catolicismo self-service, escolhe apenas o que gosta. Eu não posso negar que assim as coisas pareçam muito boas mesmo.

Finalmente, ele acha que tudo isso são ideias minhas e por isso ele afirma taxativamente discordar de mim. Ora, o Sr. Robério é o homo vaticanae secundus por excelência. É a personificação mais acabada do modernismo. Não esqueçamos nunca que o Sr. Robério é da diocese de Dom Hélder Câmara, o bispo vermelho, a quem Nelson Rodrigues gostava de entrevistar (aqui e aqui). Mas, Dom Hélder era bispo da Igreja e, segundo o Sr. Robério, deveríamos segui-lo. Se alguém lembrar, durante a discussão, dos ensinamentos de Cristo, ah!, o Sr. Robério dirá que isto é coisa antiga, que devemos viver o tempo presente, que devemos obedecer aos Saburidos da vida. Infelizmente, non possumus.

5 comentários:

Ana Maria Nunes disse...

Quando digo que os psiquiatras estão recomendando caixas de comentários de blogues, muitos ficam bravos.

Ôooo professor, pelo amor de Deus, tira essa verificação de palavras dai, por favor, n consigo enxergar as letras direito!

Antônio Emílio Angueth de Araújo disse...

Tirei, Ana Maria!
Salve Maria!

Ana Maria Nunes disse...

Muito obrigada!!nem terminei de pagar meus óculos e acho que já to precisando um mais forte ahuahua

Reginaldo disse...

O amável Robério deve ser um desses católicos descolados, tolerante com qualquer nova heresia, mas
intolerante com o Depósito da Fé Católica, construído sobre o sangue dos mártires.

Leonardo S. de Oliveira. disse...

Prezado Professor, Salve Maria!!
Os modernistas liberais com a ajuda da mídia marxista conseguiram transformar um Concílio pastoral em Concílio Infalível igual de Trento e tantos outros.
Esse Vaticano II está corroendo a Igreja Católica por dentro.Vemos Bispos e Padres defendendo idéias marxistas (marxistas que matam católicos), o Senhor Jorge Bergoglio dando entrevistas heréticas.Sinceramente Professor sinto vontade de chorar quando vejo os Clérigos modernistas colocando o Sagrado e o profano lado à lado.
In Corde Jesu,semper!!