sexta-feira, junho 11, 2010

Samba do crioulo doido: Pe. Joãozinho e a filosofia

 

Pe. Joãozinho, tendo sido reduzido ao silêncio pelo Prof. Orlando Fedeli, não esperou sequer o sepultamente de nosso querido professor para se tornar falador de novo. Repete novamente a mesma cantilena modernista.

O padre cita uma encíclica de Bento XVI e prova que não sabe sequer interpretar o que lê. Não querendo mostrar-se relativista ao extremo, parte para uma estratégia filosoficamente insustentável. Quer nos fazer crer que existe a verdade, mas que nossa compreensão dela é relativa.

Tendo muito boa vontade com o padre, talvez ele tenha querido dizer que cada um percebe a verdade de sua maneira pessoal, interpreta a tal verdade como quer, pode ou deseja. Mas, se for assim, como saber que existe verdade? Caímos de novo no relativismo puro e simples.

Ele cita a encíclica papal sem notar que ela o desmente. Bento XVI diz: “Santo Agostinho expõe, de maneira detalhada, este ensinamento no diálogo sobre o livre arbítrio (De libero arbítrio, II, 3, 8s.). Aponta para a existência de um « sentido interno » dentro da alma humana. Este sentido consiste num ato que se realiza fora das funções normais da razão, um ato não reflexo e quase instintivo, pelo qual a razão, ao dar-se conta da sua condição transitória e falível, admite acima de si mesma a existência de algo de eterno, absolutamente verdadeiro e certo. O nome, que Santo Agostinho dá a esta verdade interior, umas vezes é Deus”. Ou seja, o que Santo Agostinho ensina é que Deus nos dotou, primeiro da razão, para percebermos as verdades mais evidentes, verdades da ordem natural e algumas da ordem sobrenatural (como diria Santo Tomás) e nos deu um “sentido interno” para percebermos as verdades mais sutis. Ora, o padre não percebe que para Santo Agostinho dizer isto é porque ele acredita que possamos apreender as verdades nas várias ordens, seja pela razão natural, seja por este sentido interno que opera acima e além da razão, seja pela Revelação, através da fé.

Pe. Joãozinho nos brinda com frases como estas: “Deus é absoluto. Nós somos relativos. Nossa compreensão da verdade é relativa.” Fazendo um esforço, podemos compreender qual a confusão do padre. Ele quer dizer: Deus é o Ser necessário, nós somos seres contingentes. Como ele não sabe se expressar de maneira filosoficamente precisa, fala besteira. Ademais, ou nossa compreensão da verdade existe ou não existe. Se existe, não pode ser relativa, já que é a compreensão da verdade. Se vemos um quadrado e pensamos ver um triângulo, não podemos sequer saber se o quadrado existe.

O que o padre não percebe é que dizendo que “Nossa compreensão da verdade é relativa”, ele se expõe à seguinte pergunta: O Sr. espera que minha compreensão deste seu juízo seja relativa ou absoluta?

Não posso deixar de lembrar, para finalizar, de Chesterton que dizia que a “modéstia deslocou-se do órgão da ambição” para o da convicção. Ou seja, Pe. Joãozinho prega a modéstia na convicção quando devia pregar a modéstia da ambição.

 

18 comentários:

Anônimo disse...

Obrigado pela atenção em ler meu BLOG. Aliás, qual seria a formação autor da crítica? Esqueci de dizer que sou doutor em filosofia da educação pela USP. Sei muito bem o que estou afirmando. A sua refutação é de palha!
Dr. Pe. João Carlos Almeida, scj

Antonio Emilio Angueth de Araujo disse...

Ver a resposta a ilustre Dr. Pe. Joãozinho aqui.

Renato disse...

Esse padre Joãozinho é uma grande farça!

Não é à toa que ele é querido naquele recanto de relativismo da Canção Nova.

Renato Lima

$.o.$ disse...

Caro Amigo, existe muitas explicações para a nossa compreenção relativa da verdade.

A principal delas é muito simples de ser compreendida e de fácil execução.

Cola-se uma moeda numa vitrine com a cara para fora, todos aqueles que estão de fora da vitrine poderão ver a moeda e descrevê-la com toda a verdade e sinceridade, mas qualquer menção sobre o seu valor, será uma mera especulação de uma suposta verdade.
Isto é o que podemos dizer, ser relativo ao seu ponto de vista, já que somente agora o Sr. Fedeli poderá ver claramente o outro ângulo que ele jamais viu, ou seja, conhecerá a verdade assim como ela sempre o conheceu, por inteiro, por dentro e por fora, sem limitação humana e na sua totalidade.

Isto é uma verdade e não uma especulação da mesma, basta só admitir que Orlando Fedeli era um ser humano como todos nós, com imperfeições e pecados e que agora serão totalmente purificados para que ele receba finalmente o que lhe cabe das promessas do Pai.

Paz de Cristo

Andressa Ribeiro disse...

Que coisa feia! Que papelão do padre, hein?! De que adianta tanta formação acadêmica e ser tão arrogante assim? Para mim, sem humildade essa formação não serve de nada!

E daí que tem doutorado? Muita gente que lê blog e escreve também tem! rsrs

olegario disse...

Prezado Sr. Angueth,

Orgulhe-se de ser maltratado por esse sacerdote que se exibe com títulos e violões desafinados.
Desonra seria se o sr. recebe dele elogios e afagos.
Alem de modernista esse padre agora se revela um debatedor pós túmulo.
No debate travado com o Professor Orlando o dito cujo doutor foi vergonhosamente reduzido a pó.

Ofereço ao sr. o meu respeito e rezo para que Deus o abençoe.

Olegário.

Antonio Emilio Angueth de Araujo disse...

Caro $.o.$ da RCC,

Você faz uma confusão muito comum em principiantes. Uma coisa é uma verdade ser difícil de ser conhecida. Todas as verdades que valem a pena ser conhecidas são muito difícieis de sê-lo. Outra coisa é dizer que a verdade é relativa.

Seu exemplo da moeda, bem adequado aos cifrões de seu pseudônimo, é falacioso. Quando vejo uma moeda, sei que ela tem algum valor, mesmo que eu não saiba qual. Posso fazer várias conjecturas que nunca serão compreensões diferentes de uma verdade. Serão sempre conjecturas sobre a verdade que sei que existe.

É simples, não?

Antônio Emílio Angueth de Araújo.

presentepravoce disse...

Caro Emílio

Quem lhe disse que sou da RCC ?

Por acaso isto fará alguma diferença ?

bem se vê que o meu exemplo da moeda de valor oculto é bem verídico, pois, você nem me conhece e já me taxou de RCcista.

Saiba que sou Católico Apostólico Romano e sigo o Papa Bento XVI assim como sou o maior Fã do papa João Paulo II "Quase Santo", Também sigo o Magistério oficial da verdadeira Igreja, sigo todos os documentos da Minha Igreja, incluíndo o CV II, mas isto não lhe dá o direito de ser preconceituoso a meu respeito, apenas por um simples comentário que postei em seu Blog.

Acaso um RCcista não seria bem vindo en sua Casa ?

Bem, assim posso entender que qualquer palavra que diga um Católico não tradicionalista, ele será sempre um Maçom e protestante, logo não é a RCC que é Protestante e sim a Igreja que você não freqüenta desde o CV II.

Mas o interessante é que mesmo você desconhecendo o valor da tal moeda, ainda se acha o dono da verdade, simplesmente pelo fato dela existir.

Todos nós sabemos que Deus existe, mas Deus não nos pertence, antes nós é que pertencemos a Ele.

Você entendeu Bem, porque o Padre Joãozinho não disse que a verdade é relativa e sim que a nossa compreensão dela é que é relativa !

Logo você distorceu propositadamente a verdade que foi pronunciada pelo Padre.

Depois eu é que sou principiante !

Preste atenção nas suas próprias palavras.

Jesus te ama.

Antonio Emilio Angueth de Araujo disse...

Caro $.o.$,

Você tem 48 anos de idade, é do sexo masculino, do signo de Virgem, “Ano do zodíaco: Boi”, vivem em Anápolis, Goiás, trabalha na área de comunicações e mídia e é da RCC.

Tudo isso eu sei de você, caro. Você coloca todas estas informações em seu perfil, que é público e que todos podem acessar. Eu não inventei nada. Você não ficou satisfeito apenas com a denominação de católico apostólico romano no seu perfil e vem agora dar uma de ofendidinho quando afirmo, baseado em sua informação, que você é da RCC!

Nunca imaginei que um membro da RCC ficasse ofendido porque alguém descobriu que ele o é. Agora, você me pergunta se faz diferença alguém ser da RCC. Ora, faz muita, pois, alguém que seja da RCC tem de se converter ao catolicismo para se salvar; é isso que lhe desejo: que você se converta. Você é protestante e não sabe, ou finge não saber, pois ser católico é muitíssimo mais difícil que ser protestante, nominalmente, ou da RCC.

Você quer um exemplo simples disso? Quando um católico apostólico romano, nos dois milênios de existência da Igreja, iria se apresentar publicamente declarando seu signo astrológico e um tal ano do boi (muito interessante que você esteja ligado de alguma forma a um boi)? Quando isso aconteceria? Nunca, evidentemente. O Catecismo da Igreja proíbe consultas astrológicas, crenças astrológicas, como ofensas ao Primeiro Mandamento da Lei de Deus, você sabia?

Quanto às outras suas observações, não fique ofendido, elas são de principiante. Se você quiser discutir CVII e lógica elementar, podemos até discutir, mas você como aluno e eu como professor. Se você não tiver humildade suficiente para isso, não discuto com você.

Antônio Emíiio Angueth de Araújo

$.o.$ disse...

Caro Emílio

Não fiquei ofendido em ter me chamado de RCcista e sim estranhei o fato de você não ter lido a frase anterior CATÓLICO APOSTÓLICO ROMANO, já que rc"C" é apenas um movimento dentro desta Igreja da qual você não aceita como ela é.

Não vou discorrer sobre o fato de que a RCC é aceita e bem representada dentro da Igreja Católica pós Vaticano II, enquanto que Dom Marcel Lefebvre continua excomungado e bem sabemos que seus princípios de ensinamento provém de suas divagações e alucinações.

Li também sua outra postagem em que você critica Padre Joãozinho por se declarar "Dr." e você se declara um humilde blogueiro, mas a mim você trata apenas como postulante e um mero verme protestante que não se converteu.

Fui Batizado, crismado, Fiz primeira comunhão, casei-me na Santa Igreja católica Pós vaticano II, só fiquei sabendo do cisma Tridentino a dois anos atrás quando me esbarrei por acaso com o Professor Orlando Fedeli em minha cidade, esbarrão este, que nos trouxe muita dor de cabeça.

Se a minha participação na Santa Missa Nova, não me dá o direito de ser reconhecido como Católico, quem diria aquele que não participa da Santa "Missa Nova", não move nem uma palha na Igreja que diz Amar, não evangeliza os perdidos, não ama os fracos e pecadores e ainda joga pedra naqueles que estão trabalhando arduamente em prol desta evangelização?

Um colega seu "Tridentino" que não gosta de ser reconhecido como tal, me provou por A+B como 2+2=4 que todo Católico "COMUM" não Tridentino, que freguenta a "Missa Nova" é Protestante, porque segundo ele e fedeli "Q. Deus o tenha", a Missa Nova é Protestante.

Qual seria então a diferença entre um RCcista e um Católico "COMUM"?

Segundo o que me provaram...
Nenhuma, porque todos são Maçons e Protestantes, menos Católicos. Esta glória pertenceria somente aos tradicionalistas, assim como você "PROFESSOR".

Professor de que mesmo ?
Acho que você não disse o que pretendia me Ensinar !

A propósito da sua crítica sobre o ano do BOI e do signo de virgem, basta que você coloque a sua data de nascimento no seu perfil que estas coisas aparecem lá automaticamente, como em seu perfil não revela sua idade, então estas coisas não aparecem, mas isto foi fácil de resolver,...

Obrigado pela dica..
Retirei a minha data de nascimento e o Boi desapareceu.

Paz de Cristo.

Antonio Emilio Angueth de Araujo disse...

Caro $.o.$,

Que bom que você não é mais zodiacal e nem ligado ao boi. Estamos começando a nos entender. Sugiro, se me permite, que você use outro pseudônimo, ou nenhum; esses cifrões não pegam bem, creia-me. Coloque no lugar deles duas cruzes; trocar os cifrões por cruzes pode significar muito para você, para sua alma que quer, percebo plenamente, ser uma alma católica.

Logo de início notei que Prof. Orlando tinha trazido “muita dor de cabeça” para você. Claro, ele defendia a Doutrina de Sempre, a Tradição Bimilenar da Igreja e esta é frontalmente contra o CVII. O papa Bento XVI tem dito isto, à sua maneira, mas permanentemente! Por isso, evangelizar segundo o CVII é afastar as pessoas da Verdadeira Doutrina.

Quanto à Missa Nova, ela é sim protestantizante, apesar de válida. Por isso, Bento XVI editou o Motu Proprio Summorum Pontificum, liberando a Missa de Sempre. Se você quiser algumas sugestões de leituras sobre o CVII e a Missa Nova, terei um imenso prazer em lhe ajudar. Escreva-me diretamente para meu e-mail, se preferir.

Continuo a me declarar um modesto blogueiro, mas nem por isso posso deixar de afirmar que você, sendo da RCC, é protestante sem saber. Não um verme protestante, como você diz. Uma alma que está enganada e que pode descobrir o caminho da salvação. Se eu puder ajudar, agradecerei Nossa Senhora por isto.

Antônio Emílio Angueth de Araújo.

Renato disse...

Caro Antonio Emilio Angueth de Araujo, esse cifrão (Sizenando) é carismático sim.

O site desse senhor Sizenando é bem esquisito e fresco!

Nem minha sobrinha que tem 10 anos e cheio de frescurinha feminina teria um site tão fresco quanto o dele!

Hélio de Souza disse...

O insigne Professor Orlando Fedeli, sempre lutou pela verdade!
Ele não buscou por algo que acreditasse ser a verdade!
Ele encontrou a VERDADE e procurou apresentá-la aos demais Católicos, basta comparar seu pensamento, opiniões, sua ortodoxia com a dos Santos Doutores da Igreja, com os infalíveis Concílios de Trento e Vaticano I.
A morte do Professor Orlando Fedeli não foi uma perda para a Igreja Católica, porque a semente tem que morrer para se tornar árvore e produzir muitos frutos!
Os modernistas e hereges de plantão devem estar dando “vivas”, como as hordas do inferno fizeram durante o calvário de Jesus Cristo!
Mas a Montfort não vai acabar com sua morte, ao contrário, suas cinzas vão adubar esta grande e esplêndida árvore.
O que foi dito pelo Apóstolo dos Gentios também se aplica ao Professor Orlando, baluarte da ortodoxia Católica, com quem tive a honra de trocar muitos e-mails: “Combati o bom combate, terminei a minha carreira, guardei a fé. Resta-me agora receber a coroa da justiça, que o Senhor, justo Juiz, me dará naquele dia, e não somente a mim, mas a todos aqueles que aguardam com amor a sua aparição”. (2Tm 4,7-8)
O já saudoso Professor Orlando Fedeli era criticado porque era duro nas suas resposas, batia forte.
Eu já penso que ela era apenas sincero.
Padre Joãozinho, porque o Senhor bate e depois, se pressionado, assopra?
Siga o exemplo de Orlando Fedeli! Bata e deixa que a pessoa reflita.
O grande Doutor da Igreja, São Jerônimo, ensinava: “Jamais poupei os hereges e empreguei todo o meu zelo em fazer dos inimigos da Igreja meus inimigos pessoais.”
Por sua vez,São Francisco de Sales, Bispo e Doutor da Igreja,
determina: “Os inimigos declarados de Deus e da Igreja devem ser difamados tanto quanto se possa, desde que não se falte à verdade, sendo obra de caridade gritar: “Eis o lobo!”, quando está entre o rebanho ou qualquer lugar onde seja encontrado”.
E que belo lema de Padre Pio de Pietrelcina: “AGRADAR SOMENTE A DEUS, AOS HOMENS FAZER O BEM”.
A frase do insigne Doutor da Igreja, Santo Agostinho, muito se aplica a personalidade do Professor Orlando Fideli: “Prefiro os que me criticam,porque me corrigem, aos que me adulam,porque me corrompem?”.
O patrono de todos os Sacerdotes ensina,João Maria Vianney:
“É necessário trabalhar neste mundo, é necessário combater. Teremos toda a eternidade para descansar.”
Nas palavras do padre Francisco Carvajal:Quem anuncia a doutrina de Cristo deve acostumar-se a ser impopular em muitas ocasiões, a ir contra a corrente, sem ocultar os aspectos dessa doutrina que se revelem mais exigentes: sentido da mortificação, honradez e honestidade nos negócios e na atividade profissional, generosidade no número de filhos, castidade e pureza na vida conjugal e fora dela, valor da virgindade e do celibato por amor a Cristo… porque não temos outras receitas para curar este mundo doente: “porventura um médico receita remédios inúteis ao seu paciente porque este tem horror àquilo que o poderia curar?”
São Gregório Magno : “Quem luta pela honra de Deus, tem que suportar ser desonrado pelos maus”.
Papa Félix: “O erro a que não se oferece resistência acaba aprovado; e a verdade que não se defende fica oprimida”.
Obediência ou Cumplicidade?
“Quando o pastor se transforma em lobo, compete primeiramente ao rebanho se defender” (D. Guéranger, L’Anneé Liturgique, na festa de S. Cirilo de Jerusalém).
“É lícito resistir ao Pontífice que tentasse destruir a Igreja. Digo que é lícito resistir-lhe não fazendo o que ordena e impedindo a execução de sua vontade” (De Romano Pontífice, lib. II, c. 29).São Roberto Belarmino.
Na mesma esteira ensina o Cardeal Ratzinger, hoje Papa Bento XVI.
“É possível e até necessário criticar os ensinamentos do Papa, se não estiverem suficientemente baseados na Escritura e no Credo, ou seja, na fé da Igreja Universal” (O Novo Povo de Deus, S. Paulo, Paulinas, 1974, pg. 140).
Paz em Cristo Jesus e em Sua Mãe Santíssima, porque é somente nEles que a encontramos.

In Corde Jesu, semper, Hélio de Souza

Guilherme Ferreira Araújo e Anthony Tannus Wright disse...

Eis o depoimento de alguém que teve certas "experiências" com a RCC e que descobriu o verdadeiro caráter desse movimento.

http://www.montfort.org.br/index.php?secao=cartas&subsecao=rcc&artigo=20040729164928&lang=bra

Guilherme Ferreira Araújo e Anthony Tannus Wright disse...

Um excerto do depoimento que mencionei acima. É impressionante (no sentido negativo da palavra):

"O Baile do "Espírito"

A mais demoníaca das experiências foi o baile. Não me constranjo em dizer tal coisa pois, uma experiência que nos retira de todo o controle de nós mesmos, não só racional, mas físico e espacial, em que se perde a noção de quem se é, para misturar-se a um grupo coeso e massificado controlado por não sei quem, em que movimentos são feitos inspirados por "nada" e que não levam a lugar algum, só podem ser do demônio.

Num terceiro retiro fomos convidados a participar de um baile, de uma festa, em que dançaríamos a noite toda, no escuro, e que nosso par seria o "Espírito Santo". Para que isso pudesse ser realizado, todos estaríamos descalços, sem relógios, pulseiras e brincos e andaríamos ou dançaríamos a esmo de olhos fechados, num certo salão que tinha suas portas fechadas e vigiadas. Eu quis sair, não me deixaram. Inevitavelmente, os mais empolgados, trombavam-se constantemente, tropeçavam e caíam, apesar do fato de haverem jovens "responsáveis" por não permitir que se trombassem. A única coisa que não podia era: abrir os olhos. Enquanto isso, tocava-se uma música romântica que levava os presentes a chorar e aos poucos as pessoas iam caindo no chão, pois havia começado o "repouso". Viam-se pessoas com os braços erguidos, pessoas orando em línguas, pessoas impondo as mãos, pessoas no colo umas das outras, e invariavelmente eu mesma pisava em alguns colegas, sem querer. Tinha entendido o porquê de se tirar os sapatos!"

A moça que o postou chama-se Thaís.

Anônimo disse...

Sobre o passamento do professor Orlando Fedelli gostaria de dizer algo. O site Montfort foi o primeiro site católico que eu conheci desde o momento em que passei a ser usuário da internet em 1999. Graças áquele site, e ao seu responsável, o professor Orlando Fedelli, redescobri a Igreja Católica de sempre, sua doutrina, sua história e toda Sua beleza. Também me foi revelado que tudo que eu NÃO apreciava na Igreja até então eram frutos exclusivos do CVII. Para conhecer a Igreja que eu havia perdido desde os anos setenta, passei várias noites lendo os artigos Véritas e Cadernos de Estudo, além das cartas enviadas pelos leitores ao professor. Passei a estimá-lo mesmo sem nunca tê-lo conhecido pessoalmente e a admirar seu senso de humor elegante e terrível. Tenho certeza que nosso querido professor Orlando está na paz de Cristo neste momento intercedendo por nós, ainda peregrinos neste Vale de Lágrimas.

Luiz Melendez, Rio Grande do Sul

Renato disse...

Senhor Antonio, esse cifrão poderia começar a aprenter mais sobre esse Concílio esquisito que foi o Concílio Vatica II, lendo uma das últimas cartas postadas no site da Montfort.

Essa carta é de um católico de verdade mostrando para um "católico" carismático verdades sobre ess concílio bem estranho que muitos não querem ver!

http://www.montfort.org.br/index.php?secao=cartas&subsecao=apoio&artigo=20100504104433&lang=bra

O Cardeal Annibale Bugnini (agente da maçonaria) confirmou que esse concílio era claramente para agradar os nossos inimigos protestantes(ou como os católicos carismáticos gostam de dizer: "Irmãos separados")!

Anônimo disse...

Quem sabe isso divirta um pouco aos fãs e seguidores do "grande doutor" e padre (?) que ama conversas de comadre.
http://gloria.tv/?media=82873

A.M.D.G!
Católico Romano