quarta-feira, junho 23, 2010

Leitor acusa blog de idéias e hábitos medievais; blog responde

____________________________________________________________________________

Após ver seu blog, concluo que, infelizmente, os piores tumores da humanidade são o fanatismo e a intolerância religiosa. Nem Jesus, nem Deus ou o que for jamais foi partidário disso. Que decepção, professor, continuo a admirar seu trabalho como acadêmico, porém falha ao cultuar hábitos e idéias medievais que já mataram tanta gente e que não levam ninguém ao céu, apenas ao retrocesso humano.

____________________________________________________________________________

Pois, então! Temos aqui um corajoso comentador, altamente moderno, cheio de jargões, que fala uma porção de besteiras e decide ficar ... anônimo, claro!

Ele me elogia, na parte acadêmica (pelo que lhe agradeço), o que me faz pensar que ele seja membro desta augusta comunidade universitária. Será um colega professor?; será um ex-aluno, ou um aluno atual?; será de outra área, ou mesmo de outra unidade acadêmica?

Isso tudo fica em segundo plano quando contemplamos como um acadêmico do século XXI expõe tão tranqüilamente sua profunda ignorância. Sobra-lhe, contudo, um pouco de vergonha, daí o anonimato. O retrato-falado, ou melhor, escrito do amigo leitor é mais ou menos fácil de desenhar. É um relativista, pois fala de intolerância religiosa, como se algum religioso verdadeiro não tivesse a obrigação de ser intolerante. É o velho problema de a verdade ser relativa ... Fala de Jesus como um pacifista, mostrando que nunca leu uma linha do Evangelho. Fala de Deus como um apartidário, mostrando que nunca leu uma linha do Velho Testamento, que é a história do povo ESCOLHIDO por Deus. Fala de hábitos e idéias medievais, mostrando que suas leituras mais elevadas são a Veja (ou pior, Isto É, Carta Capital, etc), e a Folha de São Paulo (também existem opções piores). Dali ele tira todas as suas elevadas idéias sobre a Idade Média. Nunca leu um livro de História que valha a pena ser lido, nunca leu (vá lá) Regine Pernoud, pelo menos. Deve ser também um telespectador assíduo do Jornal Nacional, de onde ele tira idéias sobre a direção das coisas do mundo.

Para mim é sempre um espanto encontrar esses seres perambulando pelos corredores da minha universidade, conversando nos cafés, exibindo toda sua empáfia de grandes pesquisadores (ou de alunos brilhantes) sem, contudo, saber o mínimo essencial, o mínimo que um simples estudante medieval tinha na ponta da língua, um mínimo do TRIVIUM.

O problema com esses pobres coitados é que se eles percebessem sua pobreza, haveria como ajudá-los a sair da indigência mental. Mas a visão de sua própria situação já lhes é muito penosa para suportar. Chegar à conclusão da própria miséria é uma experiência muito comum e cotidiana para nós católicos, mas muito penosa para quem não o é. E é por isso que somos intolerantes com o erro; para evitar que as pessoas sejam incapazes de olhar a própria miséria e de elevar o olhar para Deus e Lhe suplicar misericórdia.

25 comentários:

Anônimo disse...

Professor,

Se eu tivesse que ler uma só obra, concisa, clara e completa, para entender o catolicismo, qual seria?

Igualmente, para entender:

1) filosofia cristã em geral;
2) Santo Agostinho,
3) Santo Tomás Aquino
4) o quadro geral da teologia, incluindo os heréticos.

Ser-lhe-ei grato se me ajudar, pois, sozinho, eu levaria anos para descobrir a literatura correta, e ainda ficaria confuso.

Reze por mim.

Antonio Emilio Angueth de Araujo disse...

Caro anônimo,
Salve Maria!

Meu Deus!, que perguntas mais difíceis. Vou pedir aos leitores do blog que me ajudem.

Minhas sugestões (levando em conta sua restrição de que seja uma obra clara e concisa), para um leitor do século XXI:

1. Sobre catolicismo: Ortodoxia de Chesterton;
2. Filosofia cristão em geral: Historia Da Filosofia Crista, PHILOTHEUS BOEHNER e ETIENNE GILSON;
3. Santo Agostinho: Confissões;
4. Quadro geral da teologia, incluindo os heréticos: As Grandes Heresias de Belloc.

Rezarei por você.

Antônio Emílio Angueth de Araújo.

Anônimo disse...

Obrigado, Professor!

Faltou a indicação da obra sobre São Tomás de Aquino.

Salva Maria, mãe do Nosso Senhor!

Antonio Emilio Angueth de Araujo disse...

Salve Maria!

Desculpe-me. A obra de Santo Tomás é evidentemente a Suma Teológica, que foi escrita para iniciantes como nós. Mas os iniciantes medievais eram muito mais avançados que nós e, portanto, a Suma é quase ininteligível para os modernos. Assim, sugiro que você leia primeiro a biografia de Santo Tomás escrita por Chesterton. Você irá acostumando-se com a atmosfera mental do grande Santo e Doutor da Igreja.

Em JMJ.

Antônio Emílio Angueth de Araújo.

Sandra Regina Sabella disse...

Eu dou testemunho de uma dessas obras indicadas. Estou estudando "As grandes heresias", de Hilaire Belloc, e traduzida competentemente por você, Angueth.

É como um banho a purificar-me de imundices, eis meu sentimento a cada necessária interrupção nos estudos.

Na página 134, eu quero destacar:

"sendo ateu, é sua característica repudiar a razão humana. Tal atitude parece, de novo, uma contradição nos termos, pois se negamos o valor da razão humana, se dizemos que não podemos, por meio da nossa razão, chegar a qualquer verdade, então nem esta afirmação pode ser verdadeira. Nada pode ser verdadeiro e nada do que se diz tem valor. Mas esse ataque moderno (que é mais que uma heresia) é indiferente à autocontradição. Meramente afirma."

Aí está minha atitude estúpida por décadas, porque negando a possibilidade da verdade em que tudo é relativo, tudo é uma questão de gosto, eu abdiquei da minha condição humana que é pensar. Eu era um bicho reduzido à satisfação apenas dos cinco sentidos, e nessa condição não havia possibilidade de ver minha miséria.

Que bom, Angueth, Graças a Deus por todos nós, e mais Glórias a Deus através do arrependimento e reparação de minha conduta.

Anônimo disse...

Bela resposta caro Angueth!

Deus tenha Misericórdia de todos nós.

Diogo Ferreira.

Antonio Emilio Angueth de Araujo disse...

Cara Sandra,
Salve Maria!

Sua atitude é muito nobre. Sempre quando enxergamos nossa miséria, ela nos assunta profundamente.

Em JMJ.

Antônio Emílio Angueth de Araújo.

Sergio de Souza disse...

Caro Professor,

O sr. indicaria a leitura de Dietrich von Hildebrand? Ele tem títulos em português fora "Cavalo de Tróia na Cidade de Deus"? O sr. saberia dizer qual a posição de Hildebrand em relação ao Vat II?

Antonio Emilio Angueth de Araujo disse...

Caro Sérgio,

Von Hildebrand é muito bom. Ele é crítico em relação ao CVII.

Antônio Emílio Angueth de Araújo.

Anacoreta disse...

Caro Professor, talvez o anônimo admire a intolerância dos comunistas com quem não pense como eles (=campos de concentração, paredões, prisões, mortes, etc); os campos de concentração de comunistas e nazistas; os milhões de abortos, um verdadeiro genocídio; a estupidez pseudo-filosófica e nihilista daquele psicótico suicida do Nitzche; as péssimas músicas da atualidade; a boçalidade mentirosa da imprensa; a nossa tolerância e nossa covardia diante dos criminosos, que nos mantêm presos em casa; a subversão completa dos valores por canalhas iluministas maçônicos, que pregam "do caos, a ordem". Deve ser isso que ele gosta e digere na academia. Diga-lhe que a Igreja é medieval mas que o paganismo que está na moda (lista acima) é pré-histórico!

Anônimo disse...

Roteiro da Salvação

Deve haver um roteiro simples para os simples, pois Jesus questionou os sábios/teólogos de sua época pela confusão que faziam.

Eu suponho algo assim:

1) Catecismo Católico Simplificado (Compêdio) e Completo, ambos disponiveis em vatican.va
2) Explicação da Bíblica por Santo Agostinho e Santo Tomás, mas aí já começa alguma divergência;
3) Capacidade de pensar aprendida com os filósofos em geral: Sócrates, Platão e Aristóteles, para começar;
4) Compreeensão da Suma Teológica de Santo Tomás.

Tratam-se de níveis de conhecimento, mas tudo deve estar já muito claro no primeiro nível.

Tudo foi resumido pelo próprio Jesus quando explicou a Lei e os Profetas (está no catecismo católico, no seu final).

O avanço em complexidade não é para todos. Alguns poucos intelectos podem avançar, mas sempre com o perigo de se perderem.

Antonio Emilio Angueth de Araujo disse...

Caro anônimo,

Obrigado por me ajudar nas sugestões de leitura.

Permita-me apenas dizer que, para o iniciante, prefiro sugerir o Catecismo Maior de São Pio X, pelo seu formato, pela sua ortodoxia, pela sua simplicidade. No mais, concordo integralmente com suas sugestões.

Antônio Emílio Angueth de Araújo.

Anônimo disse...

"Catecismo Maior de São Pio X"

Confesso que tenho dúvidas se o Vaticano indicaria esse catecismo como sendo oficial. Contudo vou investigar. Não sou uma "voz autorizada" sobre o assunto.

Obrigado, Professor!

Antonio Emilio Angueth de Araujo disse...

Caro anônimo,

Como assim? O que você quer dizer com a dúvida sobre se o Vaticano indicaria ou não um Catecismo? Ainda mais o escrito por um papa santo? Ainda mais um que é um resumo do Catecismo Romano, mandado publicar pelo Concílio de Trento, Concílio Ecumênico infalível e por um papa também santo: São Pio V?

E mais: como você vai investigar isso? Procurar uma bula papal que des-indique o Catecismo Maior de São Pio X? Você não encontrará! Se você perguntar a qualquer padre ou bispo modernista, é possível que eles não o conheçam.

Há ainda questões mais complexas com o Catecismo atual, que não se podem discutir de forma resumida: daí eu dizer que o Catecismo Maior de São Pio X é "mais ortodoxo".

Por isso, continuo a preferir o Catecismo Maior.

Antônio Emílio Angueth de Araújo.

Guilherme disse...

Anônimo, se quiser entender parte do problema teológico que está por trás do Catecismo de 1992, leia um livro chamado "O Problema da Reforma Litúrgica". Ele é vendido no site da Permanência. Trata-se de uma explicação concisa, clara e objetiva da teologia que fundamenta a Missa de Paulo VI e da teologia clássica, que fundamenta a Missa Gregoriana ou Tridentina. O livro acaba se referindo várias vezes ao Catecismo de 1992, mostrando que ele também referenda uma mudança na perspectiva teológica. É discussão séria e muito grave. Os católicos deveriam se inteirar disso.

Anônimo disse...

Retorno do Anônimo que pediu sugestões:

Já tenho em mãos:

1) Para entender o catolicismo
Ortodoxia, de Chesterton;

2) Sobre filosofia cristã
Historia Da Filosofia Crista, PHILOTHEUS BOEHNER e ETIENNE GILSON;

3)Sobre Santo Agostinho
Confissões + Volume da coleção Os Pensadores;

4) Santo Tomás
Volume da coleção Os Pensadores.
Estou nomorando a Suma Teológica (o preço mais baixo que encontrei é de 1.060 à vista. No sebo há coleções com preços variando entre 2.500,00 e 3.500,00). Será um grande investimento!

5) Sobre o quadro geral da teologia
Mantenho As Grandes Heresias na minha agenda.

Agora é só começar a estudar!

Que Maria o recomende ao seu Filho, Professor.

Anônimo disse...

"Caro anônimo,

Como assim? O que você quer dizer com a dúvida sobre se o Vaticano indicaria ou não um Catecismo?"

Acontece que eu sou apenas um aprendiz e, por isso, não sou uma "voz autorizada". É por isso que sempre parto das indicações que são postadas diretamente no sitio www.vatican.va, ou indicaões do Papa Bento XVI

Agora, pelo que percebi, o sitio oficial do Vaticano não está tão alinhado com a ortodoxia. É isso mesmo?

Antonio Emilio Angueth de Araujo disse...

Caro anônimo aprendiz,

Bem-vindo à crise da Igreja!

Se você não sabe, ela existe. Se você não sabe ela se desdobra em todos os escalões da Igreja. Se você não sabe, até no Vaticano. Se você não sabe, lá há cardeais que não acreditam na Presença Real, que são satanistas, que .... Vou para por aqui.

Se você quiser discutir mais sobre isso, identifique-se e continuaremos a discussão, que é muito proveitosa. Anônimos têm sempre um passe livre por aqui, que expira com certa rapidez. O seu expirou. Agora, só declarando o nome.

Antônio Emílio Angueth de Araújo.

Eduardo Araújo disse...

Caríssimo Angueth,
Salve Maria!

Em primeiro lugar, deixe-me parabenizá-lo pela nova moldura do blog. A cor caiu muito bem, mas gostei, em especial, das prateleiras com livros, muito sugestivas das ótimas leituras que encontramos aqui.

Sobre o tema do post, faço coro com o Anacoreta, que elencou vários exemplos da verdadeira era das trevas - que não é, nem de longe, a Idade Média, mas o pré-histórico paganismo moderninho, por contraditório que possa parecer essa expressão.

Às vezes, a ignorância acerca da Idade Média me assusta, mesmo sendo um lugar comum dos pseudo "avançados" do séc. XXI. Quer identificar um ignorante, de cérebro bem lavado e com uma leitura boba e mentirosa da história? Talvez já bastem essas afirmações sobre a época medieval, constituídas não a partir de estudo e reflexão sincera sobre o período, mas em cima de informaões preconceituosas, as mais das vezes provenientes de anticlericais marxistas ou "neo iluminados", com pose de sucessor de Voltaire, Diderot e cia.

Corrija-me, professor, se eu estiver errado: por trás dessa visão deformada da Idade Média reside a aversão à Igreja, portanto a Jesus Cristo. A associação patife que fazem se traduz mais ou menos assim: Idade Média = proeminência da Igreja; Idade Média = obscurantismo e barbárie (trevas); logo, Igreja = obscurantismo e barbárie (trevas). Bem aos gostos iluminista e marxista.

Porém, o interessante é que mais e mais historiadores especializam-se no período, tornam-se bons medievalistas e seus textos vão na contramão dessa Estória (com "E" mesmo) de idade de trevas. Pena que será difícil num país como o nosso, com o ensino de história dominado por marxistas, demover esses preconceitos.

Abraço
Que o Bom Deus lhe cumbra de Bençãos!
Eduardo Araújo

Guilherme disse...

Caro Eduardo, depois de ler seus comentários, gostaria de lhe indicar a leitura de dois textos sobre a história anti-católica, um de Chesteron e outro de Belloc.

Estão no meu blog:

http://www.caminhopararoma.wordpress.com

Ambos mostram como funcionam as falsificações históricas que visam manchar a imagem da Igreja.

Flavio disse...

Bah,essa coisa de que idade média/igreja católica é sinônimo de trevas/intolerância não aguento mais ouvir.

E o que me chateia é não ver a Igreja desmistificar com vigor essa falsidade.

Ah,parabêns Antonio pelo novo layout.Ficou muito bom.

abraço e fiquem com Deus.

Anônimo disse...

"Se você não sabe, ela existe. Se você não sabe ela se desdobra em todos os escalões da Igreja. Se você não sabe, até no Vaticano. Se você não sabe, lá há cardeais que não acreditam na Presença Real, que são satanistas, que .... Vou para por aqui.'

Prezado Professor,

É dessa informação que eu necessitava. Como estudante protestante de teologia, portanto "não autorizado' a aceitar a doutrina católica, aventurei-me por conta própira - dai o anonimato - a estudar o doutrina oficial católica com a intuição de que ela está mais próxima da verdade.

Porém, com a sua explicação, devo afastar-me, pois não tenho estrutura para entrar nessa briga. Eu precisaria, antes, de certeza e de consenso.

Adotei como referência para minha confiança no Catecismo de 1992 a seguinte passagem:

"Promulga-se em 1567 o Catecismo do Concílio de Trento, redigido po ruma equipe de dominicanos, e que, por indicação docardeal J. Ratztinger, servirá de protótipo ao atual Catecismo da Igreja Católica (1992)."

Fonte:
Suma Teológica, Tomás Aquino, Volume I, Edições Loyuola, 2001, Prefácio à Tradução Brasileira por Carlos Josaphat, OP, pg. 13.

Assim, infelizmente, concluo que minha intuição estava errada.

Que Deus lhe abençoe por abrir os meus olhos.

Estudante protestante que estava inclinado ao catolicismo.

Antonio Emilio Angueth de Araujo disse...

Resposta ao anônimo, clique aqui.

Flavio disse...

Antonio,

O Catecismo Maior de São Pio X é o Terceiro Catecismo Da Doutrina Cristã que está disponivel em pdf na web?

abraço e fique com Deus.

Flavio.

Antonio Emilio Angueth de Araujo disse...

Caro Flávio,

É o mesmo. Leia os comentários do post Estudante protestante que estava inclinado ao catolicismo para maiores indicações.

Em JMJ.

Antônio Emílio Angueth de Araújo.