terça-feira, outubro 22, 2013

A demolição da Igreja em estado avançado! O que nos espera em 2017?

O Papa Francisco encara “com profunda gratidão ao Senhor Jesus Cristo” os “numerosos passos dados nas últimas décadas nas relações entre Luteranos e Católicos”, e isso “não só através do diálogo teológico, mas também mediante a colaboração fraterna em múltiplos âmbitos pastorais”.

Recebendo nesta segunda-feira, uma Delegação da Federação Luterana Mundial, juntamente com membros da Comissão Luterano-católica para a unidade, o Santo Padre recordou que o “ecumenismo espiritual constitui, num certo sentido, a alma do nosso caminho em direcção à plena comunhão”.


O Papa Francisco congratulou-se com o facto de ter sido publicado recentemente, em vista da comemoração dos 500 anos da Reforma, um texto da Comissão luterano-católica para a unidade intitulado “Do conflito à comunhão. A interpretação luterano-católica da Reforma em 2017”.


“Parece-me verdadeiramente importante para todos o esforço de confrontar-se, em diálogo, sobre a realidade histórica da Reforma, sobre as suas consequências e sobre as respostas que lhe foram dadas.
Católicos e Luteranos podem pedir perdão pelo mal que causaram uns aos outros e pelas culpas cometidas perante Deus, alegrando-se ao mesmo tempo pela nostalgia de unidade que o Senhor tem despertado nos nossos corações e nos faz olhar em frente com esperança”.

FONTE AQUI

6 comentários:

Anônimo disse...

2017. Centenário das aparições de Nossa Senhora de Fátima. Será que teremos um grande castigo pelo fato de Nossa Senhora não ter sido ouvida, da hierarquia eclesiástica ter apostatado em massa e o mundo renegado a Deus?

Anônimo disse...

O Papa está falando de Lutero, o blasfemo? É esse?
Robson di Cola

Anônimo disse...

“Não há maior inimigo da Imaculada e de Seu Reinado que o ecumenismo de hoje, o qual todo Cavaleiro [da Imaculada] deve não só combater, mas também neutralizar, por uma ação diametralmente oposta e, finalmente, destruir” (S. Maximiliano Maria Kolbe).

Luiz

Anônimo disse...

Professor, o livro de Belloc me têm sido útil e recorrente para pensar assuntos como este, a crise do Magistério e da Igreja. O conhecimento da história nos angustia ao imaginar a dor e esforço solitário dos homens que defenderam a ortodoxia, cada qual em sua época e diante de um determinado desafio. Os quatro ou cinco capítulos do livro não autorizam imaginar que entre aquelas épocas viveu-se tempos mais fáceis, ao contrário. Costuradas, as heresias são a própria base sob a qual se assentou a história da salvação. Digo isso tudo, que é nada novo, pois tenho me perguntado se não estamos diante de duas de uma hipótese: mais uma época terrível para a Igreja, cujas causas são anteriores a Pio X, ou se estamos no umbral da consumação dos tempos. Não imagino outra forma de ver o assunto, me corrija o senhor, por favor. Assim, no primeiro caso tudo isso passará, vamos lutar, combater, indispor - como bem disse S. Kolbe. Mas se for a segunda, vamos continuar lutando da mesma forma pois, pela primeira vez na história, seremos julgados vencedores em definitivo desta disputa permanente. Receba meu abraço, Nik.

Antônio Emílio Angueth de Araújo disse...

Caro Nik,
Salve Maria!

Acho que a grande pergunta é essa mesma: a situação atual da Igreja já teve paralelo no passado? Há os que pensam que sim e há os que pensam que não. Dentre estes últimos estão Belloc e São Pio X.

Eu fico oscilando entre essas duas opções: às vezes penso que houve crises passadas que podem se equivaler às atuais; por exemplo o Grande Cisma do Ocidente. Às vezes penso que, como o ataque contra a Igreja vem desde dentro, da cúpula mais alta na hierarquia, a situação atual é muito pior do que todas as outras.

O que temos de fazer é acompanhar os acontecimentos de Terço na mão e com os nomes de Nosso Senhor e Nossa Senhora na ponta da língua.

Ad Iesum per Mariam.

Junior Ribeiro disse...

Isso é terrível! Estão dançando em cima dos túmulos dos mártires do passado! Rasgando os escritos dos santos doutores! Fazendo profanações ante a Virgem Santíssima! Agora se deve comemora em nome do ecumenismo humanitário atual a pior ferida que Santa Igreja teve em todos os tempos!? E a Consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria? E as excomunhões dos heréticos? E o quinto dogma Mariano?? Rezemos para que o Papa Francisco acorde!