quinta-feira, agosto 29, 2013

Onde está o Papa?

Este é o título de um artigo, escrito por Pe. Celatus, na edição de agosto do The Remnant.  
 
Diz o autor: “Este pontífice tem um modo de ser assaz não-pontificial, pelo menos comparado aos padrões da tradição e de seus predecessores”. Ou seja, mesmo comparado aos papas conciliares. 
 
Ele continua: “São muitos os exemplos, e estes começaram bem cedo, como, por exemplo, a famosa, e agora quase secreta, celebração da Quinta-feira Santa, isto é, a Missa Solene da Última Ceia do Senhor. Esta Sagrada Liturgia, que comemora a instituição da Eucaristia e a Ordenação dos Apóstolos por Nosso Senhor, foi celebrada pelo Papa Francisco escondido atrás dos muros de uma prisão, usando mulheres, apóstatas e infiéis para o Mandatum, isto é, o ritual do lava-pés.” 
 
Vê-se que tais atos do Papa Francisco não confundem apenas este miserável blogueiro, que tem expressado sua perplexidade em muitos posts recentemente. 
 
Pe. Celatus pergunta, diante disso: “Onde está o Papa?” 
 
Ele segue tentando responder: “Um dos lugares onde ele não está é sentado no trono tradicional de seus predecessores. Ao invés disso, o Papa Francisco optou por uma espécie de cadeira dobrável e trocou os chinelos papais tradicionais pelos da Nike.” 
 
“Ele se refere”, o autor continua, “a si mesmo como Bispo de Roma, o que é em si mesmo inquietante. Bispo de Roma é, coincidentemente, o título papal usado pelos modernistas, que desdenham o papado. Mesmo cismáticos e hereges reconhecem o título de Bispo de Roma. Bispo de Roma também sugere a ideia de um entre iguais.”  
 
A seguir Pe. Celatus comenta sobre o quanto as declarações e atos aparentemente descontraídos e espontâneos do papa abalam diariamente os fiéis. 
 
O autor lembra a declaração sobre os gays na JMJ: “Se uma pessoa é gay e procura Deus e tem boa vontade, quem sou eu, por caridade, para julgá-la?” Pe. Celatus lembra que: “Líderes da Igreja insistem que o Papa não aprova a homossexualidade mas até o uso da palavra ‘gay’ é uma vitória homossexual.” 
 
Pe. Celatus lembra ainda as confidências de Francisco à CLAR: “Uma é a corrente pelagiana que existe na Igreja neste momento. Há alguns grupos restauracionistas. Conheço alguns; coube a mim recebê-los em Buenos Aires. E nos sentimos como se tivéssemos voltado 60 anos atrás! Antes do Concílio… Sentimo-nos em 1940… Um relato, só para ilustrar esse grupo, não é para que riam disso, eu tive respeito, mas preocupa-me; quando eu fui eleito, recebi uma carta de um desses grupos, e eles disseram: “Sua Santidade, nós lhe oferecemos este tesouro espiritual: 3.525 rosários.” Por que eles não dizem: “nós rezamos pelo senhor, pedimos…”? Mas essa coisa de contar… E esses grupos voltam a práticas e disciplinas que eu experimentei – não vocês, porque vocês não são velhos – a disciplinas, a coisas que naquele momento aconteceram, mas não agora, elas não existem hoje em dia…”  
 
O autor lamenta: “Imagine que você dê a sua esposa um buquê de dose rosas e ouve mais tarde que ela ficou preocupada com seu ato.” 
 
Pe. Celatus termina seu artigo com um apelo ao Papa. Faço minhas suas palavras, que vão em negrito. 
 
Santo Padre, com todo o reconhecimento de vosso sublime encargo de Vigário de Cristo e com uma humilde deferência a vós, suplico-vos que reconheçais que muitas de vossas palavras e ações dão ocasião a grande desordem não somente em algumas dioceses mas na Igreja Universal. O mundo geme no caos e na incerteza, agora mais do que nunca; os fiéis precisam da estabilidade da Pedra. Adotai como vosso legítimo assento o Trono de São Pedro como Papa.

3 comentários:

Anônimo disse...

Na entrevista de volta da JMJ tem-se o seguinte trecho: "Qual o sentido mais profundo de se apresentar como o bispo de Roma?
Não se deve andar mais adiante do que o que se fala. O papa é bispo de Roma e por isso é papa, o sucessor de Pedro. Não é o caso pensar que isso quer dizer que é o primeiro. Não é esse o sentido. O primeiro sentido do papa é ser o bispo de Roma." Ora, como pode ser sucessor de Pedro e não ser o primeiro dentro da hierarquia da Igreja? Mais uma vez, ele confunde as pessoas.... E, ainda por cima, existe aquela história dele tomar benção de pastor protestante quando ainda era bispo em Buenos Aires.... Cá pr'a nós, estou muitíssimo preocupado...
Att., Antonio Fernandes

Anônimo disse...

Eis , neste link, mais um (mau) exemplo.

http://www.padremarcelotenorio.com/2013/08/papa-se-curva-diante-da-rainha-da.html

Luiz

Anônimo disse...

Professor, sinceramente não entendo a perplexidade do Sr. diante das atitudes desse Papa.

Todas as ações dele nos levam diretamente à conclusão de que ele é um modernista, com a única função de destruir ainda mais o que resta da Igreja.

Fora o que foi citado artigo, ainda temos os casos de seu extremado filo-semitismo, os elogios acalorados da maçonaria quando de sua eleição e por aí vai... E sem contar toda essa conversa fiada dele sobre humildade e pobreza...

Deus o abençoe Professor!

Silvio