segunda-feira, fevereiro 17, 2014

Leitor insiste, blog explica.

O anônimo anterior, ou será outro?, comenta, no post em que lhe respondo, o seguinte:
 
Eu estava imaginando, professor, é alguém que, desejando ser católico, lesse todas essas informações. Essa pessoa não teria motivos ou segurança para aderir ao catolicismo, principalmente se lesse todas as tendências que existem dentro da Igreja Católica. O seu trabalho parece-me muito necessário se fosse do tipo "lavar roupa suja em casa". Mas ele lava a roupa publicamente e, com isso, leva inquietação aos que estão em fase de observação para escolher entre o catolicismo e outras alternativas.
 
Já escrevi muito sobre a religião verdadeira e como escolhê-la. Uma coisa que eu aprendi é que, apesar da crise da Igreja, uma das formas mais eficazes de converter uma pessoa é exatamente falando-lhe da crise, da Igreja verdadeira e da falsa, da Igreja e da outra, como dizia o grande Gustavo Corção. Foi assim com meus filhos, foi assim com pessoas que dão testemunho de conversão, mesmo com tantos problemas na Igreja. Atualmente, o trabalho missionário não pode deixar de lado a monumental crise da Santa Igreja. Temos de mostrar quem, embora com a missão específica de falar pela Igreja de Sempre, está traindo Nosso Senhor Jesus Cristo. Hoje em dia, qualquer lugar é lugar de missão, pois a Igreja está em processo acelerado de destruição em todos os lugares. 
 
Se temos um Papa que dá explicações à ONU publicamente, temos de publicamente dizer que ele está errado! Que aquela turma de comunistas profissionais, de globalistas de plantão, de totalitários empedernidos, de bárbaros por convicção, de abortistas e anticristãos, não podem e não devem ser considerados sequer nossos interlocutores; no máximo pecadores que o Papa deve tentar converter. É preciso que os que “estão em fase de observação” observem que na Igreja alguém está defendendo o Preciosíssimo Sangue de Nosso Senhor, que na Igreja há ainda guerreiros verdadeiros, que pegarão inclusive em armas convencionais, se preciso for, para defender a Igreja, guerreiros que não a defendem apenas com palavras açucaradas de falsa humildade.
 
A conversão terá de ser em direção à Igreja Verdadeira, ou não será conversão verdadeira. Qualquer conversão que se efetivar na igreja do Vaticano II, não será ainda conversão verdadeira. Um convertido que considerar a Missa como uma simples ceia, não se converteu ainda, não está ainda desfrutando da Preciosa Redenção que o Filho de Deus veio nos trazer. Um convertido que tomar a Hóstia consagrada em suas mãos está cometendo uma falha grave. Os que “estão em fase de observação” precisam saber que há algumas pessoas na Igreja que sabem disso e falam sobre isso. Um convertido modernista que pensar que o Inferno é apenas uma metáfora, não está ainda convertido e está, na verdade, correndo um sério risco de ir para lá. E por que ele pensaria assim do Inferno? Ora, porque a igreja do Vaticano II não fala mais do Inferno, não acredita mais no Inferno, segundo o depoimento de um inúmeros padres; e quando fala é como metáfora.
 
Só uma última observação: não existe alternativa ao catolicismo; aqui não existe liberdade, pois só a Igreja salva. Isto é coisa que os que “estão em fase de observação” nunca ouvem da Igreja modernista. É preciso que alguns falem. É minha mais firme convicção de que falar sobre os problemas da Igreja exerce forte atração naqueles que estão prestes a se converter. É por isso que continuarei meu trabalho!

5 comentários:

Diego Aurino disse...

Caro Angueth,

Esse tipo de pensamento e atitude de extrema tolerância, quer em relação à interioridade da falsa Igreja, quer sobre o regime de aparências criado por ela, tem alimentado um monstro, o traiçoeiro e falso ecumenismo.

O acontecimento recente com o professor de Mattei na Rádio Maria é um exemplo mais claro disso.

Como ele mesmo diria,

“Não peca aquele que, com a devida reverência, destaca as deficiências da hierarquia eclesiástica. Por outro lado, pecam os omissos, por covardia ou conformismo”.

Recomendo a leitura da carta dele, Roberto de Mattei, ao Pe. Livio Fanzaga.

(vide http://fratresinunum.com/2014/02/17/padre-livio-demite-roberto-de-mattei-da-radio-maria-nao-peca-aquele-que-com-a-devida-reverencia-destaca-as-deficiencias-da-hierarquia-eclesiastica-por-outro-lado-pecam-os-omissos-por-covardia/ ).

E, parodiando o autor, termino meu comentário dizendo,

Que o Espírito Santo nos ajude a nunca ceder a qualquer pressão ou bajulação, nunca deixar de dizer a verdade e dizê-la tanto mais forte quanto maior for o silêncio daqueles que devem dizê-la.

Um dia abençoado a todos.
Per christum Dóminum nostrum.

Anônimo disse...

Bom Dia Angueth,

Sou um católico pouco praticante, mas que de um ano para cá estou me sentindo compelido a ser mais participativo para com a igreja, sobretudo depois da posse deste novo "papa".

Mas estou em um estágio de semi-analfabetismo funcional do ponto de vista dos dogmas da nossa igreja, e estou tentando entender alguns pontos que me perturbam. O primeiro deles é a relação entre o capital e a igreja: O que os santos textos nos ensinam em relação ao capital? Por que o comunismo vai contra nossas ideologias? Até que ponto devo buscar um crescimento financeiro? Quando uma vontade de realizar um feito pessoal (uma viagem de lazer, adquirir um bem "melhor" do que o necessário) se torna perigosa?

Desculpe-me de antemão por questões tão fundamentais.

Um dia abençoado,

Nik disse...

Professor, se por acaso lhe escapou esta pequenina notícia...

http://www.christeeleyson.com/2014/02/francisco-incentiva-os-muculmanos-lerem.html

Antônio Emílio Angueth de Araújo disse...

Resposta ao anônimo católico pouco praticante aqui.

Unknown disse...

A Igreja Moderna de 50 anos é a demolição de tudo que é certo e sagrado:

- Pretendeu reduzir Nossa Senhora a um membro comum da Igreja;

- Santo Padre não age mais como rei, mas como diplomata bajulador de lideranças demoníacas desses mundo, a saber, as nações seculares que estão longe de Deus, o comunistas e os representantes de falsas religiões;

- O Novo ecumenismo irenista e malévolo, onde o homem é deus;

- A Nova Missa que é nada mais que espetáculo de palhaçadas e contentamentos humanos na maioria das vezes;

- Leigos tendo lideranças que muitas vezes não se submetem as verdadeiras lideranças da Igreja (Novas Comunidades, RCC, CEBs, Pastorais);

- Imitação de doutrinas e hábitos estranhos dos protestantes;

- Respeito humano levado as ultimas consequências;

- O indiferentismo com as coisas santas, e principalmente com o Nosso Senhor Sacramentado.

Há ainda mais erros, mas enumerei esses por acha os mais graves. Que o Senhor tenha piedade de Sua Igreja!