domingo, julho 31, 2011

Surge, pela graça de Deus, mais um tradutor de Chesterton

Estou em falta com os leitores do blog, e com o prof. Carlos Ramalhete, o mais novo tradutor de Chesterton; mais novo é modo de dizer, pois em termos de competência o bebê sou eu. Em meados de julho, recebi a auspiciosa notícia, que fiquei de repercutir aqui neste modesto espaço. Diz o prof. Carlos:

Então segue o aviso: a Sandra Katzman, que é quem toma conta da casa em www.hsjonline.com , já recebeu a versão preliminar dos dois primeiros artigos da Superstition of Divorce, e vai postá-los na página só para as traduções do Chesterton que ela abriu no blogue, em http://www.hsjonline.com/p/lingua-e-literatura.html . Pelo que eu vi, já está lá o primeiro artigo, em http://www.hsjonline.com/2011/07/i-supersticao-do-divorcio-1.html ; imagino que talvez ela vá colocar o segundo artigo do livro amanhã ou depois, quando conseguir se organizar no meio da tralha toda que enviei.

O projeto do prof. Carlos é traduzir Supertition of Divorce e Outline of Sanity. Que Deus lhe pague, prof. Carlos, pela iniciativa.

5 comentários:

Gustavo disse...

Prezadísimo Prof.Angueth,
Salve Maria!!!

" Quero dizer que a lealdade guerreira é a lealdade que se manifesta na derrota, e mesmo na desgraça; a lealdade à bandeira é mais devida na hora exata em que a bandeira está prestes a cair."

Simplesmente espetacular!
Deo Gratias pelo prof.Carlos!

O Chesterton foi um daqueles escritores católicos que tinha "fineza irônica" ao escrever. Tratava dos assuntos mais fundamentais como se estivesse a fazer um prato delicioso na cozinha; isto é, muitos sabem a receita, mas o prato que ele produz é mais delicioso, porque tem aquela simplicidade,necessidade e aquele tempero colocado de uma forma que outros não conseguem fazer.

In Corde Iesu et Mariae semper.
Gustavo.

Anônimo disse...

Caro Sr. Angueth,
Que boa notícia!

Costumo ler artigos do "A Hora de São Jerônimo".
Ultimamente, o prof. Carlos Ramalhete tem se dedicado a fazer vídeos católicos, os quais tem postado no Gloria.tv.
Mas mudando de assunto, gostaria de ler "O homem eterno", de Chesterton, mas não sei se a tradução da editora "mundo cristão" (que é evangélica) está adequada; principalmente em se tratando de um livro desse grande escritor escrito depois de sua conversão ao catolicismo.
O senhor tem alguma outra dica e/ou editora para nos fornecer?

Grato pela ajuda,
Luiz

Antonio Emilio Angueth de Araujo disse...

Caro Luiz,

Não conheço a tradução da Editora Mundo Cristão, não podendo assim opinar. Tenho uma tradução que é (ou foi) comercializada pela Editora Quadrante, sem informação de data ou tradutor. Pelo estilo da tradução suponho que ela seja antiga, das décadas de 1940, 1950.

Em JMJ.

Anônimo disse...

Tenho uma tradução de 1938 pela "falecida" Editora do Globo; a antiga editora de uma livraria de Porto Alegre, RS. Português um pouco castiço, mas bom de ler.
Diz D. Lourenço (www.permanencia.org.br), que comercializa esta edição do Mundo Cristão em sua livraria, que está melhor traduzido, isto é, num português mais fluente e fácil de ler, do que a da edição atual de Portugal.
Mais detalhes sobre essa "polêmica" dê uma espiadela na comunidade Chesterton pt do Orkut.

Com estima imensa; MMLPimenta.

Wendy disse...

Eu tenho na estante a tradução do Almiro Pisetta (Mundo Cristão). Ele é o mesmo que traduziu Ortodoxia para a mesma editora. Eu não fiquei muito à vontade lendo o que ele fez com Ortodoxia, mas gostei de "O Homem Eterno." Em Ortodoxia, ele colocou poucas notas de rodapé. Em "O Homem Eterno," ele já teve mais cuidado, colocando algumas explicações interessantes. Mas eu ainda quero ler a edição da Quadrante. Eu li uma parte naquele PDF scaneado que tem no 4Shared e gostei.