quinta-feira, outubro 11, 2012

50 anos de Vaticano II: João XXIII convoca os Estados Gerais; logo a seguir, começa a Revolução.


Concílio Vaticano IIHá 50 anos, neste dia, o Papa João XXIII convocava o XXI Concílio Ecumênico da Igreja Católica. Com este comentário, termino aqui a série de posts que comecei em 13 de maio de 2011. Foram, com este, 37 posts, entre textos e vídeos, com que procurei lembrar do tsunami que atingiu a Igreja neste meio século passado.

Para mim, duas são as frases mais significativas sobre o Concílio Vaticano II. Uma é a do Papa que o encerrou:






“A religião de Deus que se fez homem se encontrou com a religião (pois é uma religião) do homem que se faz Deus.” (Papa Paulo VI, discurso de encerramento do Concílio Vaticano II, 8 de dezembro de 1965.)

A outra é a do Cardeal Ratzinger, então Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé, depois Papa Bento XVI:

"Se se deve admitir um diagnóstico global sobre esse texto [a Gaudium et Spes do Vaticano II] poderia dizer-se que significa, (junto com os textos sobre a liberdade religiosa e sobre as religiões mundiais) uma revisão do Syllabus de Pio IX, uma espécie de Antisyllabus" (Cardeal Ratzinger, Teoria dos Princípios Teológicos, Herder, Munchen, Barcelona, 1992-1995, p. 457).

A frase de Paulo VI é por demais clara para merecer qualquer comentário adicional. 

A afirmação do Cardeal Ratzinger, pelo cargo que ele então ocupava, e pelo que hoje ocupa, é extraordinariamente esclarecedora acerca do Concílio. Se os principais documentos desse concílio se contrapõem ao Sillabus de Pio IX, que condena os erros da época, isso só pode significar que tal concílio reafirma os erros, ou nega que tais afirmações elencadas por Pio IX seja, de fato, erros, ou até que aqueles erros do século XIX se tenham transformados em acertos no século XX. Seja como for, é bom lembrar que o Sillabus dividia os erros em nove categorias, a saber: I. Panteísmo, Naturalismo e Racionalismo Absoluto; II. Racionalismo Moderado; III. Indiferentismo, Latitudinarismo; IV. Socialismo, Comunismo, Sociedades Secretas, Sociedades Bíblicas, Sociedades Clérico-Liberais; V. Erros Sobre a Igreja e os Seus Direitos; VI. Erros de Sociedade Civil, tanto Considerada em Si, Como nas Suas Relações com a Igreja; VII. Erros acerca da Moral Natural e a Moral Cristã; VIII. Erros Acerca do Matrimônio Cristão; IX. Erros acerca do Principado Civil do Pontífice Romano. É bom ler todo o Sillabus com muita atenção e meditar nas palavras de Ratzinger. Assim, podemos começar a entender o Concílio Vaticano II em sua dimensão mais profunda. E veja que, correndo o risco de uma enfadonha repetição: o cardeal era o Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé.

Tudo o que ocorreu no Concílio, inclusive o golpe desfechado por um grupo muito coeso e bem identificado, contra Nosso Senhor e Nossa Senhora, foi o trabalho de muitas décadas anteriores, desde o século XIX. Alguns, pouco antes da abertura do Concílio, tinham os olhos muito bem abertos e sabiam exatamente o que estava acontecendo. Há depoimentos impressionantes a respeito. Colho a seguir o depoimento de Mons. Antonino Romeo, da Sagrada Congregação para os Seminários e as Universidades, que em janeiro de 1960, escreveu um artigo, em que nos informa sobre como ele via a situação da Igreja (O Concílio Vaticano II: uma história nunca escrita, Roberto Mattei, Caminhos Romanos, 2012).

“Indícios cada vez mais numerosos, provenientes de vários lugares, atestam o gradual desenvolvimento de uma ampla e progressiva manobra, dirigida por habilíssimos chefes aparentemente muito piedosos, cujo objetivo é eliminar o cristianismo que foi ensinado e vivido durante dezenove séculos, a fim de o substituir por um cristianismo, ‘dos novos tempos’. A religião pregada por Jesus e pelos Apóstolos, intensamente posta em prática por Santo Agostinho, São Bento, São Domingos, São Francisco, Santo Inácio de Loyola, é febrilmente corroída para que venha a desaparecer; e para que então se imponha em vez dela uma nova religião, sonhada pelos gnósticos de todos os tempos, a que já se chama, aqui ou ali, ‘o cristianismo adaptado aos novos tempos’. O cristianismo dos ‘novos tempos’ assentará na divindade cósmica e nos direitos do homem; terá como dogmas do seu ‘Credo’ o monismo evolucionista com progresso indefinido, a liberdade humana sem limites e a igualdade universal, com cambiantes de ‘fé’ cientista, teosófica e ocultista, que variarão conforme os ambientes. Terá como moral obrigatória a ‘adaptação’, ou seja, o ‘conformismo’, com a proibição de toda e qualquer ‘frustração’ e o dever de satisfazer todos os instintos e todos os impulsos; a finalidade última da vida eterna será afastada e substituída pelas ‘realidades terrenas’ que o obscurantismo dos dezenove séculos tinha posto de quarentena e que são hoje ‘reabilitadas’ com grande zelo. Neste cristianismo ‘novo’, Jesus, os Apóstolos, as definições e as diretivas emanadas do Magistério da Igreja durante dezenove séculos passarão a ser simples memórias, como valor exclusivamente ‘histórico apologético’: anéis da cadeia de uma evolução indefectível que só terminará quando o homem, tendo-se tornado o Ser perfeitíssimo, for reabsorvido na infinidade do Todo. ”

Alguns dias antes do encerramento da Primeira Sessão do Concílio, que ocorreu em 8 de dezembro de 1962, Mons. Luigi Carlo Borromeo, então bispo de Pesaro, anotava em seu diário (tiro a citação do livro de Mattei citado acima):

"Estamos em pleno modernismo. Não se trata do modernismo ingênuo, declarado, agressivo e combativo dos tempos de Pio X, não. O modernismo dos nossos tempos é mais sutil, mais camuflado, mais penetrante e mais hipócrita. Não pretende provocar uma tempestade, pretende que toda a Igreja se torne modernista sem disso se aperceber. (...) O novo modernismo também admite a tradição, mas como consequente à Escritura, originada pela Escritura e pelo Magistério, que originalmente teve por objeto apenas a Escritura. No modernismo, Cristo salva-se, mas não é o Cristo histórico; é um Cristo elaborado pela experiência religiosa, a fim de que houvesse uma figura humana, bem delineada e concreta, que apoiasse as experiências religiosas que não podiam ser expressas, na sua riqueza e intensidade, pro meio de puros conceitos racionais e abstratos. (...) Assim também, o modernismo de hoje salva todo o cristianismo, o seus dogmas e a sua organização, mas esvazia-o por completo e inverte-o. Já não se trata de uma religião que vem de Deus, mas uma religião que vem diretamente do homem e indiretamente do divino que há no homem."

Que palavras terríveis as dos Monsenhores Romeo e Borromeo; tanto mais terríveis por serem extraordinariamente proféticas. Este é o modernismo que devastou a Igreja nos últimos 50 anos, por dolorosa permissão divina (quam incomprensibilia sunt iudicia Eius!) Este é o modernismo no qual vivemos, no qual sofremos.

Comecei esta série de posts na data da primeira aparição da Virgem Santíssima na Cova da Iria, em Fátima. Termino-a hoje, em que se comemora a festa da Maternidade de Nossa Senhora, instituída por Pio XI, em 1931, por ocasião do décimo quinto centenário do Concílio de Éfeso, que declarou Maria Teotokos. Os modernistas, que no Concílio deram um golpe terrível na Virgem Santíssima, comemoram hoje os 50 anos de convocação deste que foi o único concílio da Igreja que não condenou os erros do seu tempo, um dos quais fora condenado por Maria em Fátima. Nós devemos comemorar a Maternidade de Maria, nossa Mãe, e suplicar para que ela nos acolha em seu colo santíssimo, nestes tempos duríssimos em que vivemos. 

Virgem Santíssima, olhai por nós!




5 comentários:

Luiz Fernando de Andrada Pacheco disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Flavio disse...

Muito bom,Antonio! Não lhe parece que um futuro Papa terá que se pronunciar ex-cathedra sobre documentos do CVII
e enquadrá-los dentro da tradição da Santa Igreja?

Se puder nos diga algo sobre a hermenêutica da ontinuidade.

Fiquem com Deus

Antônio Emílio Angueth de Araújo disse...

Caro Flávio,
Salve Maria!

Hermenêutica da continuidade é uma falácia. Acredito apenas que um Papa futuro (ou quem sabe o atual?), como você disse e como Mons. Brunero Gherardini suplica a Bento XVI, tem de se pronunciar ex-cathedra sobre os pontos aparentemente contrários ao Deposito Fidei do CVII.

Ad Iesum per Mariam.

Anônimo disse...

Professor Angueth,

No livro de Roberto de Mattei é citada a figura de Plínio Correa de Oliveira. Ele é apontado como uma das vozes de reação ao espírito modernista ainda na época de Pio XII. Infelizmente foi esse modernismo que modelou CV II.
Confesso que sempre tive grandes restrições em relação à Plínio Corrêa de Oliveira. Ele de fato teve uma atuação consistente e coerente nesse contexto ou foi mais uma figura folclórica e prejudicial ao correto confronto aos erros cometidos?
Peço a Nossa Senhora Aparecida que cubra sua vida com seu manto sagrado!

Marco Aurélio

Antônio Emílio Angueth de Araújo disse...

Caro Marco Aurélio,
Salve Maria!

PCO nunca foi uma figura folclórica. Muito controvertido, isto é fato, ele teve muita influência no Brasil. A influência sobre Dom Sigaud e sobre Dom Castro Mayer é verdadeira.

O prof. Orlando escreveu um livro sobre a gnose dos Arautos do Evangelho e sobre a doutrina do PCO. Vale a pena ler, para se ter um outro conjunto de informações sobre o homem.

Ad Iesum per Mariam.