quinta-feira, setembro 27, 2012

O mistério do Gólgota


Recebo um e-mail sobre uma palestra acerca do mistério do Gólgota, enviado para destinatários desconhecidos. Considerei que era uma concentração incomum de coisas desconhecidas e resolvi ler o texto no corpo do e-mail.

Aparentemente, uma senhora de sobrenome Bomfim (que ela o tenha realmente!), nos informa que: “Na evolução da humanidade houveram acontecimentos que determinaram a vinda do Cristo, porém o que estava ocorrendo no macrocosmo?” (Grifo meu.) Minha primeira pergunta é: o que estava ocorrendo com a gramática da Sra. Bomfim?

Ela continua impassível sua sequencia de perguntas: “Como Adão e Eva contribuiram para esse acontecimento? Que participação tiveram os Elohins? (Ai, que falta faz uma gramática!) Quem era o Elohim Jehová? Que relação existe entre a alma da consciência, o nascimento do Eu do ser humano e o nascimento cósmico do ‘Ser Solar’?”

É claro que isto é pura cacofonia gnóstica do mais baixo nível, mas prova uma afirmação que muitos atribuem a Chesterton, mas que é na verdade de Émile Leon Cammaerts (1878 – 1953), poeta belga que se tornou professor de Estudos Belgas na Universidade de Londres em 1933. A frase aparece em The Laughing Prophet: The Seven Virtues and G. K. Chesterton, de 1937, e diz o seguinte: “quando os homens escolhem não acreditar em Deus, eles não passam a acreditar em nada. Eles se tornam então capazes de acreditar em qualquer coisa.” Acreditam até em elohins, alma da consciência, em ‘ser solar’, etc.

Um comentário:

Luiz Fernando de Andrada Pacheco disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.