quinta-feira, dezembro 02, 2010

Um pouco mais sobre evolução

Abaixo vocês lerão um trecho de uma conferência proferida em novembro de 1981, pelo paleontólogo do Museu Britânico, Colin Patterson, ao Grupo de Discussão sobre Sistemática, composto de biólogos e funcionários do museu interessados em classificação animal; o tema era evolução. Este trecho se encontra no capítulo 14 do extraordinário The Politically Incorret Guide to Science, de Tom Bethel. Vocês verão com que certeza os próprios cientistas tratam do assunto evolução. Contrastem isso com a arrogância com que eles nos vendem suas idéias podres.

Com a palavra o Sr. Patterson:

“Até hoje, sempre quando me levantava para falar sobre um assunto, uma certeza eu tinha: que eu sabia mais sobre tal assunto que qualquer pessoa na audiência, porque eu o tinha estudado.

“Bem, desta vez isto não é verdade. Estou falando sobre dois assuntos, evolucionismo e criacionismo, e acredito poder dizer que nada sei sobre qualquer um deles. Uma das razões pelas quais comecei a desenvolver uma visão anti-evolucionária, bem, digamos não-evolucionária, foi uma percepção repentina que tive ano passado. Por vinte anos pensei estar trabalhando na área da evolução de algum modo. Uma manhã acordei e algo tinha acontecido à noite; ocorreu-me que tinha estudado algo por vinte anos e não havia uma coisa que eu sabia sobre ele. Foi um grande choque perceber que alguém possa estar tão enganado, por tanto tempo.

“Então, ou havia algo errado comigo ou havia algo errado com a teoria evolucionária. Naturalmente, sei que não há nada errado comigo. Assim, nas últimas poucas semanas, tenho tentado apresentar uma questão simples a várias pessoas e grupo de pessoas.

“A questão é: você pode me dizer alguma coisa que você sabe sobre evolução, qualquer coisa que você acredita ser verdade? Apresentei esta questão ao grupo de geólogos do Museu Field de História Natural e a única resposta que tive foi o silêncio. Tentei os membros do Seminário de Morfologia Evolucionária da Universidade de Chicago, um grupo muito prestigioso de evolucionistas, e tudo que consegui foi um longo silêncio, e então, finalmente, uma pessoa disse: Sim, sei uma coisa. ‘Que não se deve ensiná-la no ensino médio.’ [Risadas]”

Precisamos desmascarar essa corja urgentemente, pois eles estão tentando roubar as mentes de nossos filhos com uma crença, uma fé, travestida de ciência. Precisamos fazê-los começar a discutir evolução como uma religião e assim compará-la com a nossa própria. Assim teremos uma igualdade de condições e conseguiremos desmacará-los todos.

5 comentários:

Guilherme disse...

Excelente!

Caro Angueth,

Fica aqui a indicação de um maravilhoso texto sobre evolucionismo (se o sr. já tiver lido o artigo, recomende-o aos leitores do blog):

http://www.santotomas.com.br/?p=94

Anônimo disse...

Minha dúvida:

Se seguirmos Aristóteles à risca, não teríamos um Deus natural, capaz de fazer realizar os seus potenciais criativos por meio da evolução?

Se isso for verdadeiro, então teríamos:

1. Deus criou o mundo, mas não sabemos se em 6 dias literais ou seis trilhões de anos;
2. A criatura primeiro existiu em potencial, porém, ao longo dos trilênios, esse potencial poderia ser realizado de acordo com o modelamento das contingências que o próprio Deus deixou que agissem ao acaso (?).

O Deus hindu admite tacitamente a hipótese da evolução. O Deus de Spinoza, que Einstein adotou, idem.

Porém, segundo acredito, a visão da Igreja Católica afirma que Deus criou o homem na sua versão final e definitiva, só permitindo a evolução do ponto de vista cultural - não tenho certeza dessa parte -. Se é assim, é nisso que devemos crer.

Contudo, se levarmos em conta Aristóteles, Spinoza, Einstein e o próprio Marx, não temos como não partir de um Deus transcendente imanente/transcentdente que poderia ter permitido a evolução de suas criaturas.

A questão central, portanto, deveria ser:

- Quem é, ou o quê é Deus?

Respondida essa pergunta sob um ponto de vista científico aberto os ateus, em sentido pleno, simplesmente evaporariam.

Voei demais?

Augusto Mendes disse...

http://blog.legadomontfort.com.br/?p=2105#comments

Será pelo acaso que vai agora a seguinte aula da Montfort?

Manfredo disse...

Vejam como a evolução é compatível com a revelação:

http://www.espacomissionario.com.br/foxp2.php

FoxP2: A Proteína do Retorno de Jesus

A muito tempo eu não dava tão boas risadas.

Jucken disse...

Prof. Angueth, desculpe pelo off-topic, mas é que o dr. Stallman (lembra deste?) continua devaneando, desta vez tentando meter a colher na nossa nação, veja: De Stallman para Dilma