sábado, novembro 14, 2015

Estudos provam que...

Este é o título de duas crônicas de Thomas Sowell que traduzi para o Mídia Sem Máscara em 2006. Elas surgiram em minha memória quando li uma matéria na Veja online, acerca da descoberta de um risonho cientista que descobriu, assim parece, que “Pode parecer um milagre, mas, de acordo com pesquisadores do Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica dos Estados Unidos e da Universidade do Colorado, o movimento do vento descrito na Bíblia [que dividiu as águas sob o comando de Moisés] pode ter, de fato, afastado as águas sem quebrar nenhuma lei da física.

Bem, bem, bem! Lembro aqui o que disse Sowell. Diz ele:

Meu falecido orientador, economista prêmio Nobel George Stigler, costumava dizer que é muito instrutivo gastar algumas horas numa biblioteca, checando estudos que foram citados como fontes em outros trabalhos. Quando comecei a fazer isso, achei não só instrutivo mas decepcionante.

Uma nota de pé de página num texto sobre economia do trabalho citava seis estudos que apoiavam suas conclusões. Mas, depois que fui à biblioteca e consultei esses seis estudos, descobri que eles citavam um outro estudo – o mesmo em todos os seis.

Agora que os seis estudos tinham se reduzido a um, fui a ele – e descobri que era um estudo de uma situação muito diferente da discutida no texto sobre economia do trabalho.

As grandes redes de televisão e a mídia impressa têm amplos recursos financeiros para conferir as alegações, antes de apresentá-las ao público como “notícias”. Mas não espere muita preocupação com os fatos quando isso puder estragar uma grande história ou a distorção política ou religiosa que a acompanhe. Quando somente pessoas com determinadas visões podem conduzir certos estudos, não se surpreenda se “estudos provarem que” aquele conjunto de visões é verdadeiro.

A frase “pode parecer um milagre” já aponta qual a visão de quem conduziu o estudo. Visão contra o milagre e também uma ignorância a respeito do que seja um milagre. Deus usa a natureza, que Ele criou, para produzir prodígios; Ele não a contradiz! O milagre do Sol, ocorrido em Fátima, outro milagre que a “ciência” parece não aceitar, não contradiz os princípios fundamentais do Universo, apenas aquela parcela que a ciência tem acesso e que considera tudo que existe. Uma lei física é apenas um padrão de repetição que é identificado pelo homem. Desse padrão se pode deduzir um punhado de coisas e delas fazer uso para um punhado de outras coisas. Mas a identificação do padrão nada diz sobre a possibilidade de a natureza poder, eventualmente, agir de outra forma, quando sob a ação de forças que estão acima dela.

Aliás, Deus quando age, na maioria das vezes, é através de causas segundas, não só para produzir prodígios naturais, mas também para produzir prodígios humanos pessoais. Um santo é um prodígio tão espetacular quanto o milagre do Sol, talvez mais. Só em ocasiões muito especiais Deus age como causa primeira.

Mas eu tenho uma listinha de milagres para a ciência desvendar: as ressurreições empreendidas por Nosso Senhor e pelos seus mais destacados santos, ao longo da história; as centenas de corpos incorruptos que existem atualmente no mundo, Hóstias que atualmente sangram permanentemente e que estão espalhadas em vários lugares da Terra (tome como exemplo a Hóstia de Lanciano, que sangra desde o século VIII); os estigmas de Padre Pio, que o vitimaram durante 50 anos, sangrando permanentemente, sem infeccionar, sem matar o santo. Para por aqui, só para não sobrecarregar muito a “ciência”.


6 comentários:

RICARDO DA SILVA LIMA disse...

É, Angueth, os "cientistas" piram nos milagres.

Eles odeiam tanto a Cristo e a DEUS que querem, de todas as formas, negar
suas obras e manifestações.

Um abraço.

Anônimo disse...

Professor, lendo alguns livros sobre cosmologia, descobri que os físicos, após se declararem tranqüilamente ateus logo no primeiro capítulo e dizerem que tudo isso aqui não passa de mero acaso quântico e poeira das estrelas (as vezes vale a pena dar aquele chute na Igreja e na Idade Média para parecer chique, uma espécie de ritual de passagem no meio acadêmico), eles nos brindam com sua fé em mundos paralelos, infinitos universos, alienígenas e viagens interdimensionais que não podem nem de longe ser comprovados cientificamente. Resumindo, criaram sua própria religião.

Um abraço,

Leonardo

Junior Ribeiro disse...

Para os materialistas, que não passam de panteístas mal resolvidos, a ciência é o novo evangelho das verdades e o universo o Deus eterno. Não a toa, a cada momento eles querem afirmá-lo como eterno, e tem até aqueles que o afirmem como uma ilusão. O que isso senão uma visão saída do que pregava os gnósticos hereges do começo do cristianismo? Ora, contra os dogmas da ciência ninguém pode ir contra... até que um novo modelo traga mais dogmas (sic), como o que ocorreu com a Mecânica Newtoniana em relação a Relatividade. Quem aí dúvida que virá outro ainda mais subjetivo, a ciência dos palpiteiros, onde o único dogma será sua própria ideia das coisas e que os outros a aceitem? Assim caminha aqueles que negam as verdades eternas em prol de uma pretensa segurança daquilo que se acreditar dominar com mero conhecimento humano.

Parvus Patavinus disse...

Bravo! Meus melhores aplausos.

Ricardo Dip

Paloma Corrêa disse...

Professor, há medicinas alternativas que dizem que há no homem uma energia vital. Isso é reconhecido pela Igreja? Há, além da alma, alguma energia? Fiquei sabendo que Santa HIldegarda analisou as pedras e as viu como elementos canalizadores da energia humana (http://www.arautos.org/artigo/4500/Santa-Hildegarda-de-Bingen--Medica-dos-corpos-e-das-almas-.html). No que distingue essa análise da santa das medicinas alternativas?

Obrigada.

Antônio Emílio Angueth de Araújo disse...

Cara Paloma,

O homem é seu corpo e sua alma. O que faz o corpo funcionar é a alma, através de uma miríade de processos fisico-químicos. Essa tal energia vital é apenas uma invenção dos panteístas no século XIX, para dar uma face "científica" a uma antiga heresia. Jesus para curar doentes rezava ao Pai, não às pedras, árvores, águas, etc. Além disso, doença pode ser um mal, mas pode ser um bem, segundo os designos de Deus.

Antes de tudo, reze.

Ad Iesum per Mariam.