sábado, fevereiro 14, 2015

Resposta ao nutricionista (será?) que não sabe ler

Aprendi com Olavo de Carvalho, entre outras muitíssimas coisas, que os debatedores idiotas mostram sua idiotice no momento em que abrem a boca. Seu conselho é: leia-os com atenção, com respeito, e depois é só seguir os seus raciocínios para descobrir as inconsistências abundantes no que escrevem, falam e gritam. Em geral, não sabem escrever, nem falar; e se gritam, bem, aí não dá para escutar.

Escrevi um post sobre a frutose, não a substância em si, mas sobre o uso de pesquisas ditas científicas para enganar e gerar políticas restritivas que geralmente atingem os tais industriais capitalistas, cujo único objetivo é destruir a humanidade, como todos sabem.

Bem, depois da história, a área mais repleta desses ideólogos travestidos de cientistas é a nutrição (inclui-se aqui a busca de substâncias maléficas à saúde e a tal de epidemiologia, que serve tão bem ao mal uso que dela fazem). Se quiserem ter uma ideia da coisa, há um estudo muito bom sobre isso aqui.

Pois é, mas um leitor me envia o seguinte comentário ao post da frutose:

Nessa vc podia ficar calado, não tem conhecimento de nutrição para falar essas coisas. Sim, a frutose aumenta a glicose no sangue, liberando insulina, e assim aumentando a massa gorda (até mais que a gordura saturada).

O “nessa vc podia ficar calado”, na verdade o correto é “nesta”, o leitor prova de imediato que não leu o que escrevi e que está usando o argumento “ad hominem”, como fazem os que não sabem e não podem discutir. O indivíduo quis dizer que como, ele pensa, não entendo nada de nutrição, eu deveria ficar calado, vendo os cientificistas nos enganarem. No post, eu não discuto a ciência da bioquímica (pois nutrição não é ciência), mas o uso indevido que dela fazem alguns. A isso o indigitado não responde e ainda por cima pretende me dar uma aula de bioquímica. Eu pergunto, o que tem isso a ver com o que eu escrevi? Significa que o comentarista apoia o estudo e suas conclusões? Afirma que é possível tirar tanta conclusão estatística com a mirrada amostragem estudada? Aviso ao bobão: de estatística eu entendo um pouquinho. Aliás, recomendo fortemente aos interessados a leitura do extraordinário livro How to lie with estatistics. Voltando ao assunto: será que o rapaz (ou garota) que não sabe ler está afirmando que devemos limitar o uso da frutose em alimentos industrializados?

Tudo isso fica como conjectura, pois o espertinho quis mesmo foi atacar minha presumível ignorância a respeito da bioquímica de alimentos, da qual nada comentei e da qual, devo dar razão a ele, não entendo nada.


São assim os militantes anti-qualquer coisa; como não têm argumentos, usam o velho esquema da erística de Schopenhauer, da qual, devo dizer novamente, conheço alguma coisinha.

Um comentário:

Roberto Oliveira disse...

Prezado Prof. Angueth,.
Bem, a frutose é melhor que a sacarose?
Se frutose não serve, o que sobra?
Poderemos beber água, ou também faz mal à saúde?