segunda-feira, abril 22, 2013

Historinhas católicas

O SINAL DA CRUZ E AS CRUZES
 
Quando S. Gregório Magno era secretário na corte de Constantinopla, reinava no trono do Oriente o jovem imperador Tibério II. Este, passando um dia por um corredor estreito e escuro de seu palácio, viu no mármore do piso gravada uma cruz e exclamou: "Meu Deus! fazemos o sinal da cruz na testa, na boca e no peito e depois a pisamos". Imediatamente mandou arrancar aquela do piso; debaixo, porém, havia outra gravada com o mesmo sinal. Depois a terceira, a quarta e mais outras sempre com o sinal da cruz. Quando estavam retirando a sétima pedra, ouviu-se um murmúrio de admiração. Havia debaixo daquela pedra anéis de ouro, prata, rubis, pérolas, esmeraldas, colares, um tesouro de grandíssimo valor. 
 
O imperador contemplava aquelas joias a tremer de alegria e sem dizer uma palavra. O imperador do Oriente pode ser um símbolo de todo homem que passa pelo corredor escuro e estreito desta vida. Apresentam-se-nos muitos anos dolorosos, gravados com a cruz do sofrimento. Passam-se os anos, termina a nossa carreira e, na outra vida, encontramos as cruzes transformadas em intenso tesouro.
CORAÇÃO APEGADO À TERRA
 
S. Ambrósio fora convidado a visitar a casa de um rico banqueiro de Milão. Recebido com grande honra, o dono ostentava todo o luxo de seu palácio, mostrando ao bispo as colunas vindas de Constantinopla, os vasos de ouro, os ricos aposentos e a criadagem. S. Ambrósio calava-se; o banqueiro começou, então, a contar-lhe os êxitos extraordinários de suas especulações comerciais; os contratos de compra e venda; o elenco de seus bens na cidade e na campanha. Dizia-se feliz em tudo e tudo atribuía à sua habilidade e boa sorte. O semblante do bispo denotava tristeza; sem aceitar coisa alguma, levantou-se e retirou-se apressadamente daquela casa. 
 
No dia seguinte, chegou-lhe a notícia de que o palácio do banqueiro ruíra, sepultando debaixo de seus escombros as colunas vindas de Constantinopla, os vasos de ouro e com eles o seu proprietário. 
 
O que sucedeu com aquele proprietário, mais ou menos se dá com todas as pessoas que se deixam seduzir pelas riquezas e prazeres, e se esquecem que tais bens, embora vindos da bondade de Deus, duram pouco. E que aproveita tudo o mais, se a alma vier a perder-se? 
 
___________
Tesouro de Exemplos, Pe. Francisco Alves, Editora Vozes (quando ainda católica!).

Nenhum comentário: